Felipe F Falcão

Textos


 
6
 
 
Vir ao centro da cidade sozinho sem preocupação com nada é bom, e, há surpresas a todo o momento. Gente mostrando talento para alguma coisa é o que não falta, como o senhor Lesposca... pessoas como o contador de histórias, são habilidosas em com por histórias, tornando a cidade divertida, fazendo com que até a lua queira se mudar para cá.

Num passeio com olhos e ouvidos atentos, nota-se mais as coisas e o que a cidade realmente é, um lugar bonito e feito ao mesmo tempo. Também, rico e pobre, verdadeiro e falso.

Eu deveria ter muito haver com A cidade de São Paulo, pois, sempre vivi aqui depois de ter nascido no hospital Leonor de Barros da Av, Celso Garcia, enquanto eu andava e recordava de alguma das coisas em que eu participei no centro da cidade, me vinha a mente a campanha por eleições diretas, “panelaço”, briga entre a turma do Rock do Led Zepelim contra a turma da discoteca de Jon Travolta e Olivia Newton John.

Mas no fundo, o que eu gostava mesmo era de dar atenção ao esforço imenso que alguns bolivianos, chilenos, argentinos e colombianos faziam para unir os povos da América do Sul através da música e cultura, cantando sempre músicas muito interessantes do grupo Raízes de América, Tarancom, Violeta Para ou Mercedes de Sosa.

Eram muito bons os shows “ao ar livre” no Ibirapuera, Lira Paulistana, Colégio Equipe ou na estação São Bento do metrô. Tudo o que era gratuito “incluindo teatro e cinema” eu estava no meio. O raro dinheiro que surgia, era para discos e filmes do Bob Dylan, Wodstoc ou Led Zepelim no Cine Metro da Av. São João. Um tempo realmente bom, mas o melhor foi poder sair vivo e partir para outra.

No centro da cidade ou na grande São Paulo, ainda hoje acontece de tudo, mas não muitas coisas para quem não tem dinheiro. Talvez por falta de terra e de brincadeiras de terra mesmo, como campo de futebol amador, por exemplo.

Com certeza até os japoneses, sentem falta por não terem mais espaços para realizarem aquelas festas de competições engraçadas em que os brasileiros se amontoavam ao redor dos campos para poderem assistir. “Pobres com inveja e desejo de ser rico... que tragédia para a humanidade! ”.

- Calma Reis, tenha calma! Já passou. - (Primeira e não última presença da inquieta consciência.) – Ah saudade dos meus 17 anos! Como cantou Mercedes Sosa em Volver A Los 17.
    
 
***
Como o início de um pensamento rápido e tolo, quase fui atropelado ao atravessar a Av. São Luiz.

Há muitas coisas que precisam ser compradas como roupas, comida, remédio, casa, mesa ou cama.  Há muitas outras que vendedores insistentes querem nos vender a todo custo, mesmo sem dinheiro na hora. Como são bons os vendedores! Há pessoas que compram educação para os filhos. Opção por roupas, de que se deve gosta ou não gostar, e, até quem se deve admirar e ter como amigo. É muito fácil comprar até mesmo felicidade como se fosse um pacote pronto sem necessidade alguma de examinar o que tem dentro, pois o produto é garantido polo fabricante. Para quem pode pagar bem, se compra até caráter.

Os vendedores, tem grande poder de persuasão, e quando os artistas famosos ajudam, então fica muito mais fácil. Talvez possa parecer estranho quando um artista na TV ou Radio vende um produto que com certeza ele jamais usaria e muitas vezes até sabem que é prejudicial aos outros, mas quem se importa comisso? É como se o Bill Gates oferecesse uma máquina de escrever não elétrica, que ele encontrou em um baú velho na garagem de casa, certamente alguém compraria e até pagaria muito bem, apenas porque não foi um qualquer que ofereceu e sim o todo poderoso da informática.


Uma única contraindicação poderia ser a de que a mesma máquina poderá revelar no futuro o que ela nunca deixou de ser na realidade, uma máquina velha de escrever quase sem nenhum valor, semelhantes aquelas da feira do rolo em São Miguel Paulista, que qualquer relógio Oriente, mesmo parado pode levar embora na troca, “ coisinha sem importância”. - (Consciência) realmente um pensamento tolo! Homem não esperto é o Reis, esquece que também é freguês. Um pensamento rápido é assim mesmo. Alguns até que são bons, mas duram muito pouco, e podem até causar acidentes.

Continua...




Para ler o próximo capitulo, clik no titulo a frente:O CANINDÉ - O ÍNDIO QUE NEGOU O TEMPERO - 7 capítulo ( série romance)
Felipe F Falcão e João Silva
Enviado por Felipe F Falcão em 29/12/2016
Alterado em 16/03/2017
Copyright © 2016. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras