Felipe F Falcão

Textos


Há momentos na vida que tudo parece cinza, mas o amanhã sempre traz novas possibilidades.

Hoje posso dizer que vivi um desses momentos. Havia saído do trabalho, vim correndo para casa, banhei-me, rapidamente, sai às pressas, fui a farmácia, mas a caixa estava com uma má vontade de atender, que me irritei, sem esbravejar e claro. Fui a ótica. Fui muito bem atendido, experimentei os óculos que havia encomendado, voltei a farmácia... a atendente até se assustou quando disse que o tempo estava corrido. Pedi desculpas, solicitei credito para meu celular, sai meio aturdido para o ponto de taxi... pensando em quanto tempo tinha para chegar ao banco. Ao entrao no taxi, solicitei ao motorista que me levasse ao banco Bradesco.

- Pois não. – Disse-me ele espirrando em seguida e arguindo- este tempo seco me mata.

- De fato, nem frio nem calor, nosso organismo não aguenta essa instabilidade, inconstante do tempo – disse eu.

Chegamos ao banco em seis minutos. Peguei minha senha e fui para o local de espera, dez a quinze minutos se passaram. Senha 4018, mesa 4 apareceu no painel. Fui para a mesa indicada. A atendente continuava falando com o rapaz ao lado que parecia estarem se paquerando. Fiquei de pé, esperando que concluíssem o assunto, mas, ela mandou que eu me sentasse, o que fiz meio a contragosto. Sentei-me, porém, ela continuou com seu flerte com o rapaz... pensei comigo, o que eu estou fazendo aqui? Antes que eu me levantasse, ela pegou a minha senha e olhou.

- Há, jurídico e no primeiro andar- disse ela olhando para o rapaz.

- Ninguém me avisou – disse eu, indignado, porém, num tom calmo.

- Tudo bem, é só subir que lá elas vão te atender.

De fato, foi rápido, uma moça muito simpática olhou meus documentos. Disse-me que eram insuficientes... passou-me uma lista do que eu ia precisar para abria a conta da impressa. Que mesmo com todos os documentos em mãos, eu ainda teria que esperar cinco dias para a avaliação... então entrariam em contato comigo.

Sai do banco meio decepcionando. Não havia almoçado ainda, a correria do dia não tornou possível. Passei em uma barraca de caldo de cana, tomei um delicioso caldo grande... olhei para o tempo, a sensação de vazio na alma era absurda. Fui a uma loja de eletros domésticos e etc. vi um tablet, consegui um desconto de R$ 150,00 sobre um valor de R$ 999,00..., mas não o comprei, pois só tinha na cor branca. Meu dia estava terminando estranho. Mas algo... eu me encontrava em um daqueles momentos cinza da vida... me faltava algo.

Sem destino certo, sai da loja para rua, adentrei a uma floricultura. Uma moça meio sem graça veio em minha direção.

- Posso ajuda-lo senhor? – Indagou-me ela.

- Sim! Até que horas vocês fazem entregas hoje? – Eu perguntei.

- Até as 18h. porque? O senhor gostaria que a entrega fosse feita que horas?

- Às 21h30.

- Infelizmente a essa hora não entregamos... podemos entregar amanhã cedo.  

Nesse momento meu celular tocou, era minha esposa, pedindo para eu levar chocolate para ela... o que foi uma coincidência, pois eu estava escolhendo para ela um arranjo que vem com ursinho de pelúcia e uma caixa de trufas... bem, não sei porque, acabei acrescentando rosas vermelhas ao arranjo, para serem entregue na amanhã do dia seguinte a partir das 11h. Mas não sei porque ainda não me sentia feliz.

Segui para uma ótima padaria que tem aqui perto de casa, lá tem todas as delicias que a mente possa imaginar, para todos os paladares. Entrei despretensioso – não sabia o que eu queria ao certo... – olhava uma bela pizza na vitrine quando uma bela loira de olhos grandes, verdes e lábios carnudos com batom vermelho perguntou -me.

- Posso ajudar?

Sorri automaticamente.

- Um pedaço de pizza para viagem.

Fiquei a olha-la , (uma atitude inviluntária ) ir buscar a embalagem para a pizza, não notei que pelo espelho ela me notou. Pegando a embalagem, ela virou o rosto e me perguntou sorrindo.

- Algo mais?

Fiquei desconcertado, pois, não é do meu costume ficar reparando outra mulher, de forma tão indiscreta. Senti uma onda de calor me invadir. Logo olhei em volta e pedi quatro paes e um pedaço de pudim de leite.

Este foi um dia estranho. Ainda estou triste... por que será?

Minha cabeça doe, talvez seja porque estou usando meu óculos novo..., mas na ótica, fui avisado, eu iria sentir um pouco de incomodo até me acostumar com o multifocal.

Sei lá! O dia de hoje foi deveras um daqueles momentos cinza.

Mas sei de uma coisa... a moça da padaria me fez voltar a década de 90, ao som de “Sweet Child O' Mine” de Guns N’ Roses
 

Ela tem um sorriso que me parece
Trazer a tona recordações da infância
Onde tudo era
Fresco como o límpido céu azul


Às vezes quando olho seu rosto
Ela me leva para aquele lugar especial
E se eu fixasse meu olhar por muito tempo
Provavelmente perderia o controle e começaria a chorar



 
Felipe F Falcão
Enviado por Felipe F Falcão em 14/07/2017
Alterado em 19/07/2017
Copyright © 2017. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras